03 julho 2015

Camisa social feminina

Pense em uma peça do guarda-roupa versátil. Sem dúvidas uma das peças que logo veio em nossa cabeça foi a camisa social feminina, certo?  A camisa social é um dos itens indispensáveis no guarda-roupa de uma mulher. Isso porque ela é versátil e atemporal, compõe looks que vão desde produções clássicas até as mais moderninhas - tudo vai depender do nosso styling. Quer algumas dicas de como usar a peça? Então vamos lá!


No trabalho: geralmente a maioria dos lugares exige uma produção mais formal, por isso as camisas com calças sociais e calças jeans geralmente são combinações que não tem erro. A saia lápis ou com um comprimento um pouco maior é uma boa escolha - e não tenha medo de investir no comprimento midi. Se for usar estampas, uma dica para combinar é tentar usar o complemento com cores neutras ou com uma das cores da estampa.


Nesse frio, um truque bem legal é usar um suéter por cima da camisa, deixando a gola, as mangas e uma parte inferior da peça aparecendo. Se você quiser trazer um pouco mais de informação para o look, pode investir em acessórios como pulseiras e colares.


Em looks casuais: pra quem trabalha em áreas que necessitem de uma produção formal e já usa a peça, também dá para aproveitar em outras ocasiões. Podemos usar a camisa social com saias e shorts de comprimentos variados, usá-la também como sobreposição e muito mais. Investir nas estampas é sempre uma boa pedida, e, especialmente nessa época do ano, encontramos muitas opções de estampas em xadrez com um precinho amigo por aí.









Se você estiver procurando uma para chamar de sua, a dica é procurar na Shoes 4 You. O site é um shopping online que reúne inúmeras lojas e você pode procurar os itens por categorias ou por tendências, como é o caso da camisa social feminina*. Um beijo e boas compras!


2 comentários Postado por Marcela Thiemi
01 julho 2015

Os cinco maiores arrependimentos antes de morrer

Esses dias recebi no whats um vídeo da Camis falando sobre os cinco maiores arrependimentos antes de morrer. Já tinha visto uma matéria parecida há algum tempo, mas sem a médica do Einstein fazendo suas considerações. Talvez pelo fato de ser uma médica falando, um vídeo mostrando uma pessoa real eu fiquei muito mais tocada do que da outra vez que li (loucura minha? haha).



Poxa, vocês não acham um pouco impressionante essa história de se arrepender de "ter trabalhado demais", "mantido pouco contato com os amigos", "vivido uma vida que os outros esperavam de mim e não a que eu queria" e "não ter expressado meus sentimentos"? Eu acho pesado demais. Às vezes fico pensando se eu sou ou se quero ser uma pessoa assim. O que, na verdade, não é um absurdo e que talvez seja o destino da maioria das pessoas, inclusive o meu. Hoje a gente se preocupa excessivamente com o trabalho e com as cobranças que a nossa sociedade impõe: ter uma carreira de sucesso, ter aquela bolsa, ter uma casa bonita, ter um carro top. Mas... isso realmente é viver?

Ando pensando muito nesse assunto nos últimos meses. Acredito que isso seja o resultado de vários fatores: a minha estadia fora de casa por três meses, a proximidade da minha formatura, a crise que o nosso país está vivendo, a minha provável "crise dos 20 e poucos anos" - e até a morte do Cristiano Araújo.


A verdade é que sei que eu não quero viver uma vida da qual eu vá me arrepender quando chegar a minha hora - e nem enquanto eu estiver vivendo sem me preocupar com a morte. A gente acha que isso vai demorar, mas a verdade é que nunca saberemos quando essa hora chegará. Isso significa que vou abandonar todas as minha obrigações, meus estudos e meu futuro trabalho? Não, rs. Mas toda essa reflexão me levou a um "ponto de não volta" e eu tenha talvez chegado a uma conclusão de que precise abrir mão de muitas coisas para viver a vida que eu desejo. Se isso funcionará, pra mim, só o tempo vai dizer.

E você? Está vivendo a vida que você deseja ou está vivendo a vida que os outros desejam que você viva? 

OBS.: Pra quem quiser saber mais sobre o vídeo, ele foi inspirado em um livro chamado "The top five regrets of the dying", escrito por uma enfermeira chamada Bronnie Ware. Ainda não vi tradução aqui no Brasil, mas em breve deve chegar.
1 comentários Postado por Marcela Thiemi
30 junho 2015

Dots to lines

Tenho certeza de que você já deve ter visto uma tatuagem do artista Chaim Machlev por aí. Se você não reconheceu pelo nome do artista, talvez você conheça o nome do estúdio, que se chama "Dots to Lines". Ainda não reconheceu? Bom, então talvez você simplesmente reconhecerá alguma foto que eu colocar aqui. Se mesmo assim isso não acontecer, então ótimo, você vai conhecer uma arte nova hoje! =) 

O tatuador Chaim Machlev é israelense e se mudou para Berlim para abrir um estúdio de tatuagem, que ele batizou de DotsToLines. Ele tem traços incríveis e pesquisando um pouco mais sobre o estilo de tatuagem que ele faz, encontrei por coincidência esse documentário sobre o seu processo de criação. 

as lineares e geométricas não são as minhas preferidas. Mas são incríveis. Você já viu algo parecido? 

Quero que vocês assistam, mas já adianto que ele conta algumas coisas bem legais nesse vídeo. Uma delas é que ele, diferente da maioria dos tatuadores, nunca gostou de desenhar e coisas do tipo. Aproximadamente em 2012 ele simplesmente decidiu que queria fazer isso, começou a se aprofundar nos estudos, na prática e o resultado tá aí, maravilhoso. Ele conta também que quando ele vai criar uma tatuagem, ele gosta que a pessoa que vai ser tatuada participe do processo de criação junto com ele, às vezes ele e o cliente podem ficar horas e horas de um dia criando e apenas alguns minutos de fato fazendo a tatuagem e às vezes o contrário - vai depender de cada pessoa.



Tem muito mais assunto legal que ele fala nesse documentário, quem gosta de tatuagem e de arte vai adorar! Me senti inspirada. Senti que ele tem uma verdadeira paixão pelo que ele faz e é realmente bonito ouvir uma pessoa falar o quanto ela ama o seu trabalho. Sendo bem realista? Isso hoje em dia é, infelizmente, uma raridade. 

minhas preferidas: mandalas

O documentário está em inglês e sem legenda, mas quem sabe um pouquinho vai conseguir entender o vídeo todo. Eu achei sensacional e queria viajar para Berlim nesse momento pra fazer uma mandala com ele - mas bem pequenininha, porque senão minha mãe tem um troço! rs 
0 comentários Postado por Marcela Thiemi
26 junho 2015

Testando: Batons líquidos

Há algum tempo começou essa onda de batom líquido. Eu achei a ideia bem legal, porque a ideia do produto é criar um batom que a gente usa como se fosse gloss mas que fica com o acabamento de batom matte, né? Genial! Várias marcas investiram na ideia e as mais famosas foram a Dailus e a Quem Disse Berenice. Resolvi comprar um da Dailus, que tava fazendo muito sucesso e eu já até tinha usado uma cor no evento do Tifs (falei sobre isso aqui). Já o Quem Disse Berenice ganhei da minha cunhada.


A ideia é trazer um acabamento bem sequinho e pra mim as duas marcas passaram no teste. Realmente a gente passa a primeira e a segunda camada e eles ficam "molhados", mas com alguns segundos já secam e deixam essa aparência matte. No meu caso específico, tive que passar umas duas a três camadas para cobrir direitinho os lábios, com muito cuidado pra não machar. 


Gostei demais das cores. O da Dailus se chama Atitude e o Quem Disse Berenice se chama Cereja. Os preços são, respectivamente, cerca de R$17-25 e R$25-30. Meu adendo fica no quesito durabilidade: comparado com outros batons com acabamento matte de boa qualidade (principalmente com os batons matte da MAC), os dois batons líquidos "craquelam" muito facilmente. Não dá pra ficar comendo e bebendo com tranquilidade sem se preocupar com o acabamento, nesse caso. Em compensação, a grande vantagem é encontrar facilmente as marcas, ter muitas opções de cores e, é claro, o precinho bem mais amigo.


Alguém aí já usou? O que acharam? 
0 comentários Postado por Marcela Thiemi